Indústria de saúde corresponde a 40% do mercado nacional

Segundo a ABIMO, o setor de dispositivos médicos está estimado em R$ 33,1 bilhões. De janeiro a agosto de 2021, mesmo em um cenário de recessão por conta da pandemia, o volume de exportações foi equivalente a US$ 488.575.206 e o número de importações ultrapassou US$ 3 bilhões 

O Brasil tem um mercado de dispositivos médicos estimado em cerca de R$ 33,1 bilhões, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos (ABIMO). De janeiro a agosto de 2021, mesmo em um cenário de recessão por conta da pandemia de Covid-19, o volume de exportações de produtos de/para a saúde foi equivalente a US$ 488.575.206 e o número de importações chegou a US$ 3.535.781.334, o que mostra a potência do país para negócios neste âmbito. Não à toa é o oitavo maior mercado de saúde do mundo. 

De janeiro a dezembro de 2020, também segundo a ABIMO, as exportações de produtos de/para a saúde foram de US$ 760.541.719 e as importações chegaram a US$ 4.614.566.401. De acordo com a Associação, a indústria médica equivale a 40% do mercado, assim, cerca de R$ 13,1 bilhões são oriundos da produção nacional e cerca de R$ 20 bilhões (diferença de US$ 3,85 bilhões entre importações e exportações) são abastecidos com dispositivos vindos do exterior.  

Esse mercado despertou a atenção da Messe Düsseldorf, organizadora da maior feira de saúde do mundo - a MEDICA, na Alemanha -, a realizar a edição brasileira do evento. A Medical Fair Brasil (MFB) acontecerá de 3 a 6 de maio de 2022, no Expo Center Norte, em São Paulo. O grupo alemão enxergou no Brasil um hub para o mercado latino-americano, potencializando a geração de negócios para a indústria de saúde local. 

Em 2020, por exemplo, o Mercosul representou 11,18% do total de exportações brasileiras de equipamentos e produtos médico-hospitalares para o mundo, de acordo com dados do Ministério da Economia. As exportações brasileiras do setor médico-hospitalar para o Mercosul equivaleram a USD 85.015.987 e as exportações do setor totais para o mundo foram de USD 760.541.719. 

“O Mercosul facilita as negociações das empresas nacionais com o resto do mundo e amplia a rede de compradores, assim como fará a MFB”, fala a diretora do evento, Malu Sevieri. 

Segundo o presidente da Messe Düsseldorf, Wolfram Diener, as oportunidades encontradas no país são extremamente relevantes. “O Brasil é uma das principais economias da América Latina e há muito que trabalhar no trade de saúde brasileiro”, explica. Reunindo todos os principais players mundiais do segmento, a MEDICA é uma excelente plataforma de negócios para o setor e, a MFB não será diferente. 

A MFB irá reconectar compradores e vendedores do setor, incentivando novos negócios e abrindo espaço a debates que contribuirão para a reconstrução da saúde nacional. 

Estudo destaca necessidades do setor pós-pandemia 

A 4ª edição do Anuário “O ciclo de fornecimento de produtos para Saúde no Brasil”, organizada pela Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde (ABRAIDI), e que contempla uma série de informações setoriais e as distorções que ainda são registradas, constatou queda, em média, de 50,8% no faturamento das empresas de produtos para a saúde, durante o ano de 2020, com redução, também média, de 59,8% no volume cirúrgico nos sistemas público e privado. Em algumas regiões do país, essa baixa nas operações chegou a 90%, com mais de um milhão de cirurgias suspensas somente no Sistema Único de Saúde (SUS), reiterando o impacto da crise do novo coronavírus no setor. 

As empresas do segmento enfrentaram ainda uma elevação cambial de aproximadamente 45%; aumento de alíquota de ICMS (18%) no Estado de São Paulo, onde estão sediadas 45% das associadas da ABRAIDI, e por onde transitam a maior parte dos produtos; elevação dos valores nos fretes aéreo e marítimo, por interrupção ou redução das malhas; e as distorções históricas do setor que se acentuaram com retenções de faturamento (39,9%), glosas injustificadas (24,7%) e inadimplência (42,7%) praticadas por hospitais e planos de saúde. 

Segundo a ABRAIDI, a pandemia e o conjunto de desafios e incertezas que vieram em sua esteira e dominaram os últimos 18 meses, trouxeram à tona o que existe de melhor e de pior na área da saúde, principalmente no setor de dispositivos médicos. A maioria dos empresários está otimista com a retomada e aposta em um 2022 positivo para os negócios em saúde.

Para aderir à MFB como expositor, basta acessar o site https://medicalfair-brasil.com.br/pt/.

As inscrições de visitantes são gratuitas.

Artigos relacionados

  •  +55 11 2365-4336

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

  • Estamos em  São Paulo

  • Alameda dos Maracatins, 1217 - Conj. 701
  • Indianópolis - São Paulo - SP

Cadastre-se em nossa newsletter

Nos conte o seu nome :)
Acho que existe algo errado em seu e-mail.

Olá, esse é o canal via Whatsapp da Medical Fair Brasil. Aqui você tira dúvidas sobre assuntos como: inscrição, quero expor, palestras e assuntos relacionados a feira.

WhatsApp
Close and go back to page