Por que preciso tomar a 2ª dose da vacina?

Estudo diz que única dose pode tornar o vírus mais agressivo

O assunto do momento é, sem sombra de dúvida, a vacina. De repente todos se tornaram especialistas nos tipos disponíveis e um debate constante sobre porcentagens de imunização, efeitos colaterais e laboratórios produtores, vem impactando a vida do brasileiro, seja em casa, na mídia ou pelas redes sociais.

Por causa das milhares de informações disponíveis, que variam de marca para marca e fake news, temos hoje grupos que vão desde os antivacinas até os chamados ‘sommeliers’ dos imunizantes, que querem escolher qual vacina tomar. Nesse espectro ainda encontramos um novo problema, as pessoas que foram até o posto receber a primeira dose, mas não voltaram para a segunda.

Da baixa contagem de imunizados no Brasil, até junho cerca de 90 milhões de vacinas aplicadas, temos 4,4 milhões que não voltaram para a segunda dose. Só no Estado de São Paulo, foram mais de 500 mil.

Segundo Malek Imad, médico especialista em gestão de saúde, coordenador de um dos hospitais de campanha e responsável pela criação do primeiro ambulatório pós-Covid, ambos no Estado de São Paulo, “a falta de informação correta dificilmente chega às pessoas. Mesmo com tantos estudos e números sendo divulgados a todo momento, muito pouco disso é compreendido e absorvido pelos brasileiros.”

Exemplo disso é a questão da segunda dose. Muita gente acha que, por ter a imunidade com um grau alto na primeira vacinação, como a AstraZeneca que gera 76%, já estão garantidos e protegidos. Mas essa disparidade entre doses num país tão populoso como o Brasil, com apenas 11% dos habitantes totalmente imunizados, pode ter consequências graves.

De acordo com estudo da faculdade de Princeton nos Estados Unidos, publicado na renomada revista Science, uma única dose das vacinas da Pfizer e AstraZeneca, faz com que o vírus se torne mais agressivo e aumenta ainda mais a probabilidade de sua mutação e por consequência, a existência de uma nova variante.

O vírus, assim como todo ser vivo, se adapta para sobreviver. “A combinação de muitas contaminações com a vacina incompleta, vai fazer com que ele conviva com essa vacina e tenha mais espaço e tempo para evoluir e se sobrepor ao imunizante,” esclarece o especialista.
Um dos grandes medos da comunidade médica mundial é que o coronavírus se torne mais forte do que as proteções que desenvolvemos contra ele até o momento, o que é uma possibilidade, principalmente na condição atual.

Imad frisa o quanto é importante que as pessoas se dediquem às campanhas de vacinação em seus estados e pensem a longo prazo e na saúde de suas famílias. “Todas as vacinas que temos foram testadas muitas vezes, por cientistas no mundo todo, e essas duas doses foram pensadas e estudadas. Falo por toda a comunidade médica quando peço que escutem à ciência e tomem a vacina, não importa qual,” finaliza.

Fonte: Máxima Assessoria de Imprensa

Artigos relacionados

  •  +55 11 2365-4336

  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

  • Estamos em  São Paulo

  • Alameda dos Maracatins, 1217 - Conj. 701
  • Indianópolis - São Paulo - SP

Cadastre-se em nossa newsletter

Nos conte o seu nome :)
Acho que existe algo errado em seu e-mail.

Olá, esse é o canal via Whatsapp da Medical Fair Brasil. Aqui você tira dúvidas sobre assuntos como: inscrição, quero expor, palestras e assuntos relacionados a feira.

WhatsApp
Close and go back to page